A ANPPREV é uma entidade filiada:
ANPPREV

Emenda busca garantir reajuste em 2019, MP ainda aguarda comissão mista

  Publicado em 23/10/2018


A medida provisória que cancela ou adia o aumento salarial de várias carreiras do serviço público (MPV 849/2018) aguarda a instalação da comissão mista responsável por sua análise. A MP adia por um ano o reajuste, antes acertado para janeiro de 2019, de várias carreiras, como as do Banco Central, da Polícia Federal e da Receita Federal. Médicos, professores e diplomatas também são atingidos. Em alguns casos, fica cancelado o aumento em forma de adicional ou gratificação.

A medida provisória foi publicada no início de setembro. Na mensagem enviada ao Congresso Nacional, o governo informa que a MP alcança 209 mil servidores civis ativos, além de 163 mil inativos, e irá propiciar uma economia de R$ 4,7 bilhões para o exercício de 2019, “representando uma contribuição expressiva para a readequação dos gastos públicos”. O Executivo argumenta que a restrição será importante para o equilíbrio das contas públicas.

Segundo o governo, os ajustes acordados com os servidores — ainda em 2015 e sob o governo de Dilma Rousseff — levavam em conta uma inflação sempre acima de 5% ao ano, “sendo que atualmente este índice acumula alta de 4,39% nos últimos doze meses até junho de 2018”. A situação de restrição fiscal e a Emenda Constitucional 95, que estabeleceu o teto de gastos públicos, também são lembradas pelo governo em favor da importância da MP.

Nova MP

Em outubro de 2017, o governo Temer já havia editado uma MP que, entre outros assuntos, também tratou do adiamento do aumento de servidores públicos (MP 805/2017). Na ocasião, porém, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a eficácia dos dispositivos que tratavam da postergação e do cancelamento dos reajustes. A medida provisória acabou por perder sua eficácia por decurso de prazo. Posteriormente, o governo decidiu editar a MP 849, para adiar o aumento dos servidores.

Quando houve a suspensão da MP, em dezembro do ano passado, vários senadores da oposição foram à tribuna elogiar a decisão do ministro Lewandowski e defender o aumento aos servidores. Para a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), a decisão do ministro foi acertada e repõe as perdas inflacionárias dos servidores públicos. O senador Hélio José (Pros-DF) afirmou que a medida provisória promovia, na verdade, um confisco dos salários dos servidores. Já a senadora Ângela Portela (PDT-RR) disse que a liminar do STF barrou mais uma ação em que o governo de Michel Temer afronta direitos e conquistas dos servidores públicos.

Emendas

A MP 849 já recebeu mais de 120 emendas — a maioria para retirar carreiras do escopo da matéria. O deputado Hugo Leal (PSD-RJ) e o senador José Medeiros (Pode-MT), por exemplo, apresentaram emendas para excluir da MP as carreiras da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal. Emendas do senador Paulo Paim (PT-RS) querem cancelar a suspensão do aumento para todas as carreiras atingidas pela MP e viabilizar vantagens remuneratórias para as carreiras da Receita Federal. Vanessa Grazziotin também apresentou uma emenda excluindo todas as carreiras atingidas pela MP. Ela afirma que, com a MP, o governo quebra um acordo que fez com as carreiras em 2015.

Na mesma linha, o senador José Pimentel (PT-CE) apresentou várias emendas para evitar o adiamento do aumento para os servidores. Pimentel ainda sugere o aumento de 4,11% para algumas carreiras, em janeiro de 2020. Na visão do senador, porém, a MP 849 sequer poderia ser admitida como válida, já “que reproduz matéria contida integralmente na MP 805”. Ele argumenta que a MP 805, apesar de editada no ano passado, perdeu a validade já em 2018 e a Constituição veda a reedição, na mesma sessão legislativa, de medida provisória que tenha sido rejeitada ou que tenha perdido sua eficácia por decurso de prazo.

O Senador Hélio José, grande parceiro da ANPPREV, apresentou uma emenda para garantir o aumento de várias carreiras. Ele alega que “argumentos envolvendo a aplicação do novo regime fiscal não se prestam a inviabilizar o reajuste que a MP pretende postergar”. Na opinião do senador, adiar os aumentos é “flagrantemente inconstitucional”.

 

Informações: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/10/22/mp-que-adia-aumento-para-servidores-aguarda-instalacao-de-comissao-mista





Últimas notícias

Inconstitucionalidade da MP 849 poderá ser votada em breve
A AGU PERANTE O STJ DISPOSIÇÃO PARA O DIÁLOGO INSTITUCIONAL E O APRIMORAMENTO DO SISTEMA DE JUSTIÇA
ANPPREV prestigia evento da AGU de palestras e apresentação de resultados da gestão
MP 849 tem avanço interrompido e reajustes seguem mantidos para 2019
ANPPREV participa de Congresso do SINPROFAZ
ANPPREV RIO REÚNE ASSOCIADOS E DIRETORES EM CONFRATERNIZAÇÃO
ANPPREV prestigia entrega do Selo de Participação Legislativa no Congresso Nacional
CÂMARA DOS DEPUTADOS - PL BUSCA DEMISSÃO DE SERVIDOR PÚBLICO ESTÁVEL
Forvm congratula Presidente pela escolha do novo AGU
Governo força avanço do PLP 459 de securitização dos créditos tributários
Bolsonaro nomeia novo Advogado Geral da União
Portaria do Ministério da Fazenda altera parâmetros atuariais de custeio e de déficit do RPPS
Lista Tríplice da AGU é apresentada ao novo Presidente
Mensagem da ANPPREV pela Proclamação da República
FORVM PROTOCOLA OFÍCIO SOBRE LISTA TRÍPLICE ENDEREÇADO AO PRESIDENTE DA REPÚBLICA ELEITO
ANPPREV ACOMPANHARÁ INSTALAÇÃO DA COMISSÃO DA MP 849
FÓRUM NACIONAL DIVULGA RESULTADO DA LISTA TRÍPLICE DA AGU
ANPPREV ACOMPANHA INSTALAÇÃO DA MP 849
ANPPREV ACOMPANHA AVANÇO DO REAJUSTE DO JUDICIÁRIO
ANPPREV URGENTE - MPs 849 e 853 tramitam no Congresso


      

© ANPPREV 2019 - Associação Nacional dos Procuradores e Advogados Públicos Federais

Endereço   SAS 06 Bloco K - Ed. Belvedere - Grupo IV    Brasília/DF    CEP   70070-915
Telefone: 61 3322-0170 | 0800 648 1038

Área do Associado     Seja um associado       Privacidade


A experiência que faz a diferença.
ANPPREV   61 3322-0170 | 0800 648-1038
1240